Desde 02/06/2003 Criação, produção e edição: Edu Cesar


papodebola@gmail.com


papodebola


sitepapodebola


edupapodebola

SOBRE ESTA SEÇÃO
Imagens que marcaram época, sons inesquecíveis, personagens que fizeram história. Para entender o presente, é preciso conhecer o passado. Aqui, recordar é mais do que viver. É saber, é contextualizar, é rememorar. Viaje no tempo.
 
LEIA AQUI as colunas anteriores
 
Terça, 1 de junho de 2021
Especial: Januário de Oliveira

Falecido em 31 de maio aos 81 anos, o ex-narrador é um dos mais populares e mais criativos de todos os tempos. Com voz inesquecível e bordões que caíram facilmente na boca do povo, construiu uma história sensacional iniciada ainda no rádio do seu Rio Grande do Sul em emissoras como Cultura de Bagé e Farroupilha de Porto Alegre. Depois disso, foi para o Rio de Janeiro e defendeu estações como Globo, Mauá e Nacional. Desta última há poucos, mas pra lá de preciosos registros - como esse de 9 de maio de 1976, num Bangu 0 x 3 Flamengo pelo Campeonato Carioca.



Januário também pintou na TV Educativa em seus primeiros anos, dividindo locuções com José Cunha, dono do bordão "tá láááá!" e a quem sucedeu como titular logo em seguida. Um dos registros mais antigos nesta emissora é de 25 de maio de 1980, quando narrou Internacional 0 x 3 Atlético Mineiro pela semifinal do Campeonato Brasileiro. Transmissão feita dos estúdios no Rio de Janeiro a partir das imagens geradas pela TV2 Guaíba.



Em 1982, ele relatou o Vasco campeão carioca com 1 x 0 diante do Flamengo, no Maracanã, ao lado do repórter José Luiz Furtado e do comentarista Sérgio Noronha, que naquele ano representou a TVE na equipe da Rede Globo que fez a Copa do Mundo na Espanha (cobertura esta retransmitida pela Educativa e pela Cultura de SP).



Os VTs de domingo na TVE eram de lei para os cariocas. E foi para um deles que Januário transmitiu o Flamengo bicampeão brasileiro (3º título geral) no Maracanã, 3 x 0 sobre o Santos em 29 de maio de 1983.



Mais um caneco nacional com sua voz: o do Fluminense no 0 x 0 com o Vasco em 27 de maio de 1984.



Além de locutor, também era apresentador. Um sensacional registro foi resgatado no ano passado: um "Show de Futebol", debate dominical que fazia a dobradinha com os videotapes. Nesta edição de 12 de julho de 1987, os convidados Zico, do Flamengo, e Otávio Pinto Guimarães, presidente da CBF, debateram com Januário, Sérgio Noronha, Achilles Chirol, Ruy Porto, Roberto Porto, Washington Rodrigues, Sérgio Cabral e José Inácio Werneck.



Também em 1987, Januário teve um grande momento fora do futebol: o histórico ouro pan-americano do basquete masculino do Brasil contra os Estados Unidos, 120 x 115 na decisão em Indianápolis. Além da "Rede do Pan" com emissoras independentes reunidas pela Koch Tavares (equipe de microfone da Rede Bandeirantes), aqueles Jogos tiveram coberturas próprias tanto da TVE no Rio quanto da Cultura em São Paulo.



Em 1990, a Educativa transmitiu com exclusividade a finalíssima da Copa do Brasil, que teria o Flamengo campeão diante do Goiás. Em 1º de novembro, ele documentou o 1 x 0 rubro-negro na ida em Juiz de Fora.



Tanto naquele ano quanto em 1991, a TVE mostrou VTs do Campeonato Brasileiro para os cariocas a exemplo da Cultura para os paulistas, nestes que foram dois anos de exclusividade ao vivo da Bandeirantes. E em 5 de maio de 1991, Januário narrou o gol de falta mais bonito da carreira de Neto em Flamengo 2 x 3 Corinthians.



Na segunda metade de 1992, Januário de Oliveira ingressa na TV Bandeirantes para ser o novo narrador dela no Rio de Janeiro em substituição a Tércio de Lima. As coberturas dos Campeonatos Cariocas ganham a mais definitiva de suas cores vivas, fosse nas partidas ao vivo com um grande versus um pequeno às segundas-feiras e fosse nos VTs dos clássicos nos domingos à noite. Em 6 de dezembro, ele contou o empate por 1 x 1 do campeão Vasco com o Flamengo. Formado era com Gerson e Addison Coutinho um dos mais memoráveis trios televisivos.



Em 30 de setembro de 1993, ele narra com exclusividade o Botafogo campeão continental no Maracanã ao faturar a Copa Conmebol numa final emocionante contra o Peñarol: 2 x 2 no tempo normal e 3 x 1 nos pênaltis.



Considerando-se que falamos de um cronista nascido no Rio Grande do Sul, nada mais justo do que trazê-lo documentando vitórias da dupla Grenal, as aqui destacadas em tardes de sábado. Como essa do Grêmio por 3 x 2 diante do Fluminense, no Olímpico, na abertura do Campeonato Brasileiro em 4 de setembro de 1993.



Já em 12 de outubro de 1994, a transmissão foi de Internacional 3 x 2 Fluminense no Beira-Rio.



Um momento maiúsculo da carreira de Januário de Oliveira: o Fla-Flu decisivo do Campeonato Carioca em 25 de junho de 1995, Fluminense campeão com 3 x 2 sobre o Flamengo no gol de barriga do Renato Portaluppi.



No mesmo 1995, ele narrou um Santos 3 x 5 Vasco pelo Brasileirão que, além de sensacional por si só, entrou para a história cruzmaltina por marcar a primeira atuação do "Reizinho" Juninho Pernambucano.



Em 5 de maio de 1996, a locução foi do Flamengo campeão da Taça Guanabara com 2 x 0 sobre o Vasco.



O último Campeonato Carioca da carreira de Januário foi o de 1997, que teria o Botafogo campeão com 1 x 0 diante do Vasco em 8 de julho. Após sua saída no fim do ano, a Bandeirantes não voltou a ter um locutor específico do Rio de Janeiro, com as partidas dos clubes cariocas sendo assumidas pelas vozes de São Paulo.



A Copa do Mundo de 1998 marcou a despedida do gaúcho de Alegrete das narrações, que fez pela Rede Manchete. Uma das partidas na sua voz aconteceu em 23 de junho: o empate por 1 x 1 entre Camarões e Chile. Depois disso, os problemas de visão causados pelo diabetes levaram ao encerramento desta atividade.



Nos anos posteriores, Januário de Oliveira deixou o Rio de Janeiro e morou primeiramente em Goiânia e depois em Natal, sua última moradia. Os últimos anos foram marcados por entrevistas para programas de rádio e televisão. Uma homenagem emocionante foi rendida pelo "Globo Esporte" e exibida em 5 de abril de 2019. Eric Faria e equipe recepcionaram o ex-locutor no Maracanã, onde ele reencontrou jogadores cujos apelidos por ele dados "pegaram": Valdeir "The Flash", William "Pequeno Príncipe" e Sávio "Anjo Loiro", além de familiares do "Super" Ézio.



Três dias depois, a TV Brasil mostrou um reencontro especialíssimo: o de Januário com os estúdios da antiga TVE, agora com outro nome. Neles foi recepcionado por Sérgio du Bocage, apresentador do programa "No Mundo da Bola" e que já o reencontrara em Natal em junho de 2016, quando fora reportar ABC x Confiança pela Série C.



Para encerrar, 22 de junho de 2020. O "Baita Amigos", que Neto comanda no BandSports com as presenças de Velloso e Vitor Guedes, recebeu Januário por quase uma hora e meia para conversa e lembranças.

Torneios de futebol, todas as modalidades e variedades não-esportivas.

Destaques da imprensa esportiva. O que acontece em TV, rádio, jornal e web.

Podcasts com pitacos sobre os esportes e outros registros interessantes.

Convidados escrevem sobre temas de agora no futebol e em todos os esportes.

Para entender o presente, é preciso conhecer o passado. Aqui se faz isso.

Teste de conhecimentos com direito a charadas e perguntas "pega-ratão".

Verde para o bom, vermelho para o ruim e amarelo para chamar a atenção.

Gente do esporte dá dicas de livros, filmes, música, culinária e mais.