Desde 02/06/2003 Criação, produção e edição: Edu Cesar


papodebola@gmail.com


papodebola


sitepapodebola


edupapodebola

SOBRE ESTA SEÇÃO
O editor Edu Cesar comenta os resultados dos campeonatos de futebol e o dia-a-dia dos clubes. Destaque para o que de principal ocorre em todas as modalidades e ainda os tópicos não-esportivos "Sintonia PB", "Clipe do Dia" e "Bela do Dia".
 
LEIA AQUI as colunas anteriores VEJA AQUI as "Belas do Dia" anteriores
 
Segunda, 12 de julho de 2021
Tacos e pitacos pós-vacinação

Pois é, pós-vacinação. Sexta-feira passada chegou a minha vez - já poderia ter sido dois dias antes, mas na sexta é que foi possível. Vacinado fui contra o coronavírus no Colégio Júlio de Castilhos, onde transferiram os atendimentos referentes ao Centro de Saúde Modelo. Qual vacina tomei? Não importa. Vacina boa é vacina no braço, se está aprovada para uso é porque é boa tendo dose única ou primeira e segunda. Vacine-se! Proteja a si mesmo, proteja a todos em volta. Quanto mais vacinas tivermos e quantos mais de nós formos imunizados, mais próximos ficaremos novamente sem medo e sem culpa. A ciência e a medicina a serviço da vida, e feliz fiquei pela minha vez, como feliz fico pelas vezes de todos e triste fico por quem não pôde ter a sua e por quem não quer ter a sua.

Tacos e pitacos da 11ª rodada do Campeonato Brasileiro

Palmeiras 3 x 2 Santos Em quatro minutos, o Verdão abriu dois gols de frente com Gustavo Gómez e Breno Lopes. Em seu primeiro tento desde o feito diante do Olimpia em outubro do ano passado, quando sofreu a grave lesão no joelho, Carlos Sánchez diminuiu de pênalti para fazer história ao igualar Copete como estrangeiro com mais gols pelo Peixe, 26 de cada. Willian guardou no finalzinho e, quando Marinho anotou, ficou por isso mesmo. Foi a 9ª vez palmeirense sem Abel Ferreira, que cumpriu a primeiro de duas suspensões no torneio - e há invencibilidade: quatro vitórias e cinco empates. Terceira vitória seguida do Palmeiras e seis clássicos de invencibilidade contra o Santos do retornado de suspensão Fernando Diniz, vencedor em apenas um dos 11 últimos. Cinco clássicos de invencibilidade alviverde ante os alvinegros no Allianz Parque depois do 1 x 0 sofrido em 30 de setembro de 2017.

Grêmio 0 x 0 Internacional Gabriel Chapecó foi "o cara". Substituindo o olímpico Brenno, fechou a baliza e não permitiu aos colorados conquistarem seu segundo êxito na Arena, onde triunfantes foram apenas e tão somente em 2014. Depois dali, são 18 encontros invictos dos gremistas em seu reduto, embora apenas sete deles vencidos. Sim, são 13 Grenais empatados na Arena, dos quais sete 0 x 0. Sete de 21 significa um terço. Apropriado, os dois precisam agarrar seus terços para rezar que dias melhores venham. Nono clássico 0 x 0 nos últimos 30 desde 2015, sendo 13 iguais, 12 dos tricolores e cinco dos alvirrubros. Por um lado, Geromel e Kannemann chegaram a 11 clássicos juntos e nenhum perdido, um feitaço. Por outro lado, o pela 4ª vez estreante Luiz Felipe Scolari tem sete vitórias, oito empates e quatro derrotas em clássicos. Já Diego Aguirre disputou quatro e está invicto, mas ganhou apenas um.

Athletico Paranaense 2 x 2 Red Bull Bragantino Infelizmente "secreta" para a maioria, uma das grandes pelejas deste princípio de certame teve os paulistas do Maurício Barbieri saindo na frente num lindo gol do Alerrandro, aí os paranaenses do António de Oliveira igualaram com Nikão antes e viraram com Terans depois do intervalo, mas Ytalo decretou o escore final. Depois dos 2 x 1 sofridos no pega inicial em 18 de maio de 1991, nunca mais o Furacão perdeu para o BragaBull como mandante, cinco sendo os embates de invencibilidade, os três últimos empatados. Já o Massa Bruta tornou-se a 6ª equipe invicta nas 11 primeiras jornadas em pontos corridos: ele e o Sport de 2015 com seis vitórias e cinco empates, Palmeiras de 2020 com quatro e sete, Flamengo de 2011 com cinco e seis, Fluminense de 2012 com sete e quatro, o melhor deles sendo o Corinthians de 2017 com nove e dois.

América Mineiro 0 x 1 Atlético Mineiro Borrero borrou a vida americana e iluminou a noite atleticana na 100ª vitória de Cuca como técnico do time em 182 oportunidades, ele que voltou ao clássico 10 anos depois da até então presença solitária em um 0 x 0. Longa escrita do Galo diante do Coelho, Vagner Mancini e associados não conseguiram rompê-la: 17 clássicos de invencibilidade, dos quais 12 vencidos, depois dos 2 x 1 sofridos em 1º de maio de 2016. O América perdeu no dia em que completou 100 anos o outro clássico belo-horizontino, contra o Cruzeiro, e deu Atlético não só uma e sim duas vezes diante dele neste fim-de-semana, como alguns tópicos mais abaixo verão.

São Paulo 1 x 0 Bahia Foi apenas e tão somente aos 47 da 2ª etapa que Liziero determinou o placar final e o quarto duelo sem derrota são-paulina para o Esquadrão, a quem superou duas vezes consecutivas, o que não conseguia desde 2013 e 2014. Esta foi a primeira vez que os baianos não fizeram gol fora de casa nesta edição.

Sport 1 x 2 Fluminense André fez de pênalti perto do intervalo, mas depois dele Lucca virou num espaço de seis minutos. O tento de empate me pareceu irregular pois a perna dele estava adiantada, mas o lance valeu. Hã? Causa, motivo, razão e circunstância: deu pau no VAR. A coisa só melhorou aos 15 minutos do tempo segundo, seis antes do lance em questão - isto é: melhorou nada, linhas descalibradas para analisar o impedimento. Com isso, prevaleceu a decisão do Antônio Dib pelo gol. Segunda vitória do Fluzão nas últimas três visitas contra o Leão.

Juventude 1 x 1 Atlético Goianiense Zé Roberto não é o "pai" da música do Fábio Júnior, mas fez jus ao verso "você foi meu herói, meu bandido": o primeiro pelo gol a 15 minutos do fim do tempo regulamentar e que deixava o Dragão na frente, o segundo por perder um gol inacreditável na cara do alvo por chutar no goleiro - aliás: pontaria horrível dos goianos neste fim-de-semana, lembrei do Alef Manga pelo Goiás contra o Náutico na sexta-feira. Pênalti aos 52 e Matheus Peixoto, sempre ele, deixou tudo igual pro Papo. Foi o primeiro jogo entre eles na divisão principal e os gaúchos ainda não venceram como mandantes, sendo dois empates e uma vitória atleticana.

Flamengo 2 x 1 Chapecoense Com o minuto de silêncio homenageando também o único irmão de Zico a não seguir carreira no futebol (Antônio Antunes Coimbra, o Tunico, morreu na tarde deste domingo), os catarinenses até saíram na frente graças a uma tubaronice do Diego Alves com força na mão tipo folha de jornal, Perotti agradecido ficou. Mas num espaço de quatro minutos os cariocas viraram, primeiro num patadaço lindão do Arrascaeta e, numa dessas coisas que só o futebol proporciona, depois com um golaço nível Copa do Mundo do Michael. Sim: do Michael! Saiu driblando todo mundo, driblou até a nhaca que teima em persegui-lo. Quarta vitória seguida dos cariocas neste embate, nunca perdido enquanto mandantes (sete vencidos e um empatado). Sucessor de Rogério Ceni na casamata, Renato Portaluppi assistiu à porfia numa cabine do Maracanã ao lado do vice de futebol Marcos Braz.

Cuiabá 2 x 2 Ceará Na 1ª vez entre eles, quem disse que Elton não se deu bem neste domingo? Não o Elton John pois a Inglaterra dele perdeu, claro, mas sim o Elton que deu a vantagem ao Dourado, desfeita quando Rick e Jael viraram pro Vozão. Só que já nos acréscimos, Jenison decretou a igualdade - detalhe: os mato-grossenses com um a menos desde 39 minutos do 1º tempo. Uma senhora entregada de rapadura de Guto Ferreira e cia.

Fortaleza 1 x 0 Corinthians Um chinelaço maravilhosíssimo do Robson, que nem três Cássios conseguiriam defender (mas que nem digo três defensores e sim um mesmo talvez dificultasse se cercasse o tricolor), manteve o embalo da esquadra de Juan Pablo Vojvoda, que rompeu a série invicta atual de Sylvinho e associados para estabelecer apenas e tão somente a 3ª vitória dos cearenses sobre os paulistas em 13 enfrentamentos como mandantes, as outras sendo por 2 x 0 em 13 de junho de 1974 e por 2 x 1 em 3 de julho de 2005. Eram 11 confrontos gerais sem vitória do Leão do Pici desde justamente esse de 16 anos atrás, neste ínterim o Coringão ganhando oito deles.

Superadas 11 rodadas, vamos à classificação da primeira divisão com observações sobre o desempenho recente de cada time (no geral de todos os torneios) e asterisco para jogo a menos - aliás: um dos atrasados foi remarcado, que é Cuiabá x Atlético Goianiense pela 3ª rodada, que acontecerá no dia 21, às 18h de Brasília.

1) Palmeiras, 25 pontos Cinco vitórias seguidas e não empata há oito jogos (sete vencidos), reabilitação absoluta depois de apenas três vencidos em nove antes dos atuais oito sem igualdade. Quatro vitórias seguidas como mandante, isso depois de apenas dois mandos faturados nos seis anteriores.

2) Red Bull Bragantino, 23 pontos 11 jogos de invencibilidade, mas empatou o terceiro dos quatro últimos. Uma derrota nas últimas 16 partidas, 10 delas vencidas. Cinco visitas de invencibilidade e perdeu somente uma das 11 últimas (sete vencidas), mas não chegou às seis vitórias consecutivas nas seis primeiras visitas no campeonato, ainda assim sendo seu com folga o recorde de cinco seguidas nas cinco iniciais.

3) Atlético Mineiro, 22 pontos Quatro vitórias seguidas para compensar as duas derrotas nos três fracassos anteriores. Duas vitórias seguidas fora de casa e não empata há oito visitas (seis obtidas). 10 vitórias nas últimas 13 visitas (duas perdidas).

4) Fortaleza, 21 pontos Terceira vitória nos últimos quatro jogos com o outro perdido, reabilitação após quatro partidas sem vitória mesmo que três delas empatadas, o que resulta em apenas duas derrotas nas últimas oito partidas. Três vitórias consecutivas como mandante e 16 mandos invictos (12 vencidos) depois do 1 x 0 do Santa Cruz em 23 de março - aliás: Santinha, Santinha... Cuidem alguns tópicos mais abaixo, é o abismo.

5) Athletico Paranaense*, 20 pontos Duas vitórias, dois empates e duas derrotas nas últimas seis partidas, uma destas derrotas a única nos últimos cinco jogos. Nove mandos de invencibilidade (seis faturados), mas ganhou apenas dois dos últimos cinco.

6) Bahia, 17 pontos Três derrotas seguidas nos últimos cinco jogos e seis sem empate, sendo que antes destes cinco tinha perdido apenas um de oito (dos quais cinco vencidos). Duas derrotas nas últimas três visitas.

7) Fluminense, 17 pontos Três partidas de invencibilidade (duas vencidas), reabilitação após quatro jogos sem sucesso e um único exitoso em sete (dos quais três perdidos). Duas vitórias seguidas fora de casa após cinco visitas infrutíferas, ainda que apenas duas perdidas nas oito últimas.

8) Flamengo**, 15 pontos 11 partidas sem empate (sete vencidas) e terceira vitória nas últimas sete.

9) Santos, 15 pontos Duas derrotas nos últimos três jogos, sendo que nos nove anteriores tinha perdido apenas um. Quatro visitas sem vitória (três perdidas) e uma única vencida nas 13 últimas (10 perdidas).

10) Atlético Goianiense*, 15 pontos Dois empates seguidos e três jogos de invencibilidade, mas apenas dois vencidos nos nove últimos (três perdidos), três sendo os faturados antes destes nove. Uma vitória nas últimas quatro visitas, antes disso ganhando 11 de 14. Eram cinco jogos fora de casa sem empate.

11) Ceará, 15 pontos Sete jogos de invencibilidade, mas apenas dois deles vencidos. Uma derrota nas últimas nove partidas, mas seis delas empatadas. Cinco visitas de invencibilidade, todas empatadas.

12) Corinthians, 14 pontos Não perdia havia seis partidas e agora só ganhou três das últimas 13, embora apenas quatro delas perdidas. Eram seis visitas sem derrota, mas apenas duas delas vencidas.

13) Juventude, 13 pontos Três jogos sem vitória e eram quatro sem empatar. Três vitórias nas últimas 12 partidas, cinco delas perdidas. Quatro mandos de invencibilidade, mas não quatro vencidos consecutivamente.

14) São Paulo, 11 pontos Duas vitórias seguidas, algo que não fazia desde maio contra Palmeiras e Sporting Cristal. Primeira vitória como mandante após três mal sucedidos, ainda que só um perdido.

15) Internacional, 11 pontos Cinco partidas sem ganhar (duas perdidas) e apenas quatro vitórias nos últimos 18 jogos (sete perdidos). Três visitas empatadas seguidas e cinco de invencibilidade com uma única perdida nas nove últimas (quatro exitosas).

16) América Mineiro, 9 pontos Tá só na base do "dois em dois": duas derrotas seguidas, antes duas vitórias consecutivas, antes ainda dois empates seguidos. Uma única vitória nos últimos oito mandos, mas só perdeu dois deles.

17) Sport, 7 pontos Sete jogos sem vitória (quatro perdidos) e um único vencido nos 13 últimos (seis derrotados). Três mandos sem vitória e só um faturado nos seis últimos (três sucumbidos).

18) Cuiabá**, 6 pontos 10 partidas sem vitória, mas empatando sete delas. Cinco mandos sem vitória, mas três deles empatados.

19) Chapecoense, 4 pontos 11 jogos sem vitória, quatro derrotas seguidas e sete nestes 11, com uma única vitória nos últimos 16 compromissos (nove perdidos). Oito visitas fracassadas (cinco derrotadas).

20) Grêmio**, 3 pontos Nove partidas sem vitória (cinco perdidas) e uma vencida nas 13 últimas (seis perdidas). Cinco jogos seguidos sem fazer gol depois dos 2 x 2 com o Santos, únicos nas últimas nove apresentações. Cinco mandos sem vitória (dois perdidos) e um único conquistado nos sete últimos (quatro empatados).

A 12ª rodada acontecerá apenas no próximo fim-de-semana: no sábado, São Paulo x Fortaleza e Ceará x Athletico às 17h, Corinthians x Galo às 19h e Flu x Grêmio às 21h; no domingo, Chape x Cuiabá às 11h, ACG x Palmeiras às 16h, Bahia x Fla às 18h15 e Braga x Santos e Inter x Ju às 20h30; e na segunda, América x Sport às 20h.

Mas antes, metade das equipes irá a campo pelos torneios Conmebol, ida das oitavas. A Libertadores apresentará: na terça, Boca Juniors x Atlético Mineiro e Cerro Porteño x Fluminense às 19h15 e São Paulo x Racing às 21h30; na quarta, Universidad Católica x Palmeiras às 19h15 e Defensa y Justicia x Flamengo às 21h30; e na quinta, Olimpia x Internacional às 21h30. Pela Sul-Americana, vamos de: na terça, LDU x Grêmio às 19h15 e América de Cali x Athletico às 21h30; na quarta, Del Valle x Bragantino às 21h30; e na quinta, Santos x Independiente às 19h15.

Tacos e pitacos da 10ª e da 11ª rodadas da Série B

A 10ª terminou com o CSA ensaiando uma volta às boas antes de Ney Franco assumi-lo ao ganhar do Brusque por 3 x 2, mas precisando ter atenção pois chegou a trincar e permitiu a encostada no escore. Curiosidade pra qual o nobre Rodrigo Santos chamou a atenção: autor de um dos gols do Bruscão, Edu tem oito na competição, mesma quantidade do Azulão do Mutange inteiro e mais que Vila Nova, Vitória, Ponte Preta, Londrina e Remo. Enquanto isso, o Operário fez 2 x 1 no Brasil para quebrar uma série de cinco fracassos seguidos e o Confiança chegou aos quatro jogos sem vencer ao ficar no 1 x 1 com o Vitória, agora há cinco pelejas sem fazer jus ao nome.

Já a 11ª teve seu início no sábado com quatro gols do Botafogo e dois do Cruzeiro no empate entre eles, nem preciso explicar o motivo pois basta ligar o Tico e o Teco para entender (rs). Dando inveja ao Suede, Chay foi o cara alvinegro ao anotar todos dos cariocas, enquanto o destaque azul foi Marcelo Moreno com dobra pessoal para ir aos 51 gols, tendo um a mais que Arrascaeta para agora ser o maior artilheiro estrangeiro cruzeirense. Foi a sétima partida sem derrota da Raposa para o Fogão no Rio de Janeiro, três vencidas e quatro empatadas.

Transcorridas estas pelejas, melhor dar uma checada na classificação (asterisco para jogo a menos e sinal de mais para jogo a mais para quem já cumpriu esta próxima rodada): em 1º, Náutico com 24; em 2º, Coritiba* com 20; em 3º, Sampaio Corrêa com 18; em 4º, CRB com 17; em 5º, Vasco, Goiás e Guarani com 16; em 8º, Operário com 15; em 9º, Brusque*, Botafogo+ e Vila Nova com 13; em 12º, Avaí* com 12; em 13º, CSA* e Cruzeiro+ com 11; em 15º, Confiança com 9; em 16º, Vitória e Ponte Preta com 8; e em 18º, Brasil, Londrina e Remo com 7. Aliás: Londrina, que mandou embora o técnico Roberto Fonseca após seis vitórias, dez empates e seis derrotas.

Depois de Botafogo 3 x 3 Cruzeiro, a 11ª rodada prosseguirá nesta segunda com Náutico x Ponte Preta. Depois disso, vamos à terça-feira: Vila x Brasil às 16h, Guarani x CRB e Avaí x Confiança às 19h e Coritiba x Vasco, Londrina x Operário e Vitória x Sampaio às 21h30. Já na quarta, CSA x Goiás às 19h e Remo x Brusque às 21h30.

Tacos e pitacos da 7ª rodada da Série C com direito a "demissão surpresa"

Foi a do Roberto Cavalo no Oeste, não externada pelo clube e sabida apenas e tão somente quando divulgada a súmula antes do jogo perdido por 1 x 0 para o Ituano, que chegou às quatro vitórias consecutivas, algo que não conseguia desde a Copa Paulista de 2015. Eu já vi muita coisa no futebol, vi mesmo, mas saber de técnico demitido apenas no anúncio da escalação pro jogo é a primeira vez, sinceramente. Por essas e outras que o Rubrão tá cada vez mais no mais absoluto ostracismo. Além desta peleja, o o Grupo B teve ainda Mirassol 0 x 3 Paraná e Figueirense 2 x 0 São José, nesta segunda realizado sendo Botafogo de Ribeirão Preto x Criciúma. Classificação: em 1º, Ypiranga com 16; em 2º, Criciúma com 14; em 3º, Novorizontino e Ituano com 13; em 5º, Botafogo e Figueirense com 9; em 7º, Paraná e Mirassol com 7; em 9º, São José de Porto Alegre com 5; e em 10º, Oeste com 2.

Agora, o Grupo A. Tivemos Floresta 1 x 1 Tombense, Paysandu 0 x 2 Ferroviário, Volta Redonda 0 x 0 Jacuipense, Botafogo da Paraíba 4 x 1 Manaus e... Altos 1 x 0 Santa Cruz, gol marcado aos 52 minutos do segundo tempo. Ê, Santinha! Clube das três primeiras divisões há mais tempo sem uma mísera vitória que "seje", como diria o analfa: cinco derrotas e cinco empates depois dos 3 x 2 que fez no Retrô em 28 de abril. Não é querer tocar terror e nem nada, mas desse jeito vai acabar rebaixado com umas três rodadas de antecedência se não botar o dedo na tomada e não tomar um choque de realidade. Bom, tirando ele bem atrás, saca só quão próximos estão todos os outros: em 1º, Botafogo, Paysandu e Ferroviário com 11; em 4º, Altos, Manaus, Tombense e Voltaço com 10; em 8º, Floresta com 9; em 9º, Jacuipense com 7; e em 10º, Santa com 3. A situação do Jacuipense, mamãe!!!

Tacos e pitacos de outras deste fim-de-semana

Campeonato Brasileiro Série D Sigo atento aos representantes dela nas oitavas da Copa do Brasil, ambos venceram nesta 6ª rodada. O ABC fez 2 x 0 no Central e lidera o Grupo A3 com 12 pontos, enquanto o Juazeirense anotou 1 x 0 no Sergipe para ser o 2º do A4 também com 12, dois abaixo do Itabaiana. Há mais quatro destaques na rodada: Sousa 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 x 0 Caucaia, maior goleada da rodada; Ferroviária 1 x 0 Patrocinense, cinco vitórias seguidas da Ferrinha e 450 minutos sem ser vazada; Juventude do Maranhão 3 x 3 Tocantinópolis, interrompido por alguns instantes devido a um... ataque de abelhas!; e Boavista 0 x 1 Internacional de Limeira, cujo ônibus conseguiu a proeza de derrubar um poste de iluminação ao chegar no estádio em cena digna de comédia pastelão de Hollywood.

Campeonato Brasileiro Feminino Série A2 A ida das quartas, cujos classificados garantirão presença na divisão de elite em 2022, teve Athletico Paranaense 4 x 2 Red Bull Bragantino, América Mineiro 1 x 3 Atlético Mineiro, Cresspom 0 x 0 Ceará e Real Ariquemes 1 x 1 Esmac. Saberemos no fim de semana que vem os desfechos.

Tacos e pitacos da Argentina campeã sul-americana contra o Brasil

Separei em vários subtópicos os destaques do 1 x 0 de sábado (muitos deles, crédito a quem merece, dos quais soube pelo intrépido, indomável e irrepreensível Alexis MisterChip, que tira cada estatística da cartola):

*A seca de 28 anos sem títulos depois dos 2 x 1 sobre o México no epílogo da Copa América de 1993 começou na Copa Rei Fahd de 1995, que seria perdida para a Dinamarca.

*O golaço do Di María após o lançamentaço do De Paul foi o primeiro argentino em finalíssimas desde o do Aimar nos 4 x 1 dos brasileiros na Copa das Confederações 2005. Depois, Brasil 3 x 0 na Copa América de 2007, Alemanha 1 x 0 em 2014 e dois 0 x 0 com o nos pênaltis vencedor Chile nas Copas América de 2015 e 2016.

*Os argentinos ganharam 17 das 18 partidas nas quais Di María fez ao menos um gol, sendo a única derrota para a França nos 4 x 3 da Copa do Mundo de 2018.

*A Argentina não ficava na frente do placar em uma finalíssima desde a Copa América de 2004, quando por duas vezes esteve na frente do Brasil e por duas vezes cedeu o empate, a última no chutaço do Adriano.

*Os argentinos nunca perderam um jogo de Copa América pro qual foram para o intervalo vencendo o adversário, tendo agora 83 vitórias e sete empates.

*Depois do Uruguai contra o Brasil em 1995, nunca mais quem foi para o intervalo da decisão em vantagem perdeu a referida - e a Argentina manteve intacta esta escrita de agora 26 anos.

*A Argentina agora também é a maior vencedora da Copa América pois igualou as 15 conquistas do Uruguai, ambos bem distantes do Brasil com suas nove.

*Os portenhos não superavam os canarinhos em partidas oficiais desde os 3 x 1 em casa pelas Eliminatórias em 2005, depois disso os brasileiros vencendo cinco vezes para mais dois empates.

*Messi não brilhou na final, muito ao contrário: perdeu um gol inacreditável para um cracaço como ele, até agora não assimilei o que ainda não acredito que realmente vi. Mas só ter um mundial de juniores e um ouro olímpico não bastavam. Faltava um título profissional. Com toda a razão ele foi altamente celebrado. Era um peso nas costas que incomodava. Pelo jejum de quase três décadas e também por isso, "sangue nos olhos" puro.

*Messi campeão no Maracanã sete anos depois de perder ali a final da Copa do Mundo pra Alemanha.

*Terceira vitória argentina sobre os brasileiros no Maracanã, igualando os 2 x 1 de 1957 e o 1 x 0 de 1998. Só ela e mais Uruguai em 1950, Tchecoslováquia em 1956, México em 1968, União Soviética em 1980 e Inglaterra em 1984 ganharam do Brasil no outrora maior do mundo. Só 1950 e 2021 foram jogos oficiais.

*Efeito do tempo: quando a Argentina foi campeã pela última vez na Copa América de 1993, Tite vencia como treinador pela vez primeira ao faturar a segundona gaúcha pelo Veranópolis (essa aí Denis Luciano observou).

*Primeira Copa América perdida pelo Brasil enquanto país-sede, campeão que foi em 1919, 1922, 1949, 1989 e 2019 (ainda perderia o título de 1983 pro Uruguai como mandante em edição sem sede fixa).

*Segundo título perdido pelos brasileiros no Maracanã na história, igualando o "Maracanazo" do Uruguai na Copa do Mundo de 1950. Depois, conquistas da Minicopa de 1972 sobre Portugal por 1 x 0, CA de 1989 diante do Uruguai pelo mesmo placar, Confederações de 2013 sobre a Espanha por 3 x 0 e CA de 2019 versus o Peru por 3 x 1 - até os Jogos Olímpicos foram faturados em 2016 no 1 x 1 + 5 x 4 contra a Alemanha.

*O Brasil não perdia um jogo oficial contra seleção sul-americana desde aquele para o Peru na CA Centenário de 2016. Peruanos, que tinham sido os últimos algozes em partida oficial com os brasileiros como mandantes no torneio, nos 3 x 1 de 30 de setembro de 1975 pela Copa América no Mineirão.

*Primeira derrota brasileira em casa desde os 3 x 0 da Holanda, no Mané Garrincha, pelo 3º lugar da Copa do Mundo de 2014.

*Foi apenas e tão somente a segunda derrota em partida oficial de Tite como treinador canarinho - o problema está em logo quais perdas: Bélgica nas quartas da Copa do Mundo de 2018 e agora essa daí.

*10ª vez em 61 partidas que a seleção de Adenor Bacchi saiu atrás no placar, cinco delas perdidas.

*Quem tira medalha do peito só porque não é a de campeão não mostra ter espírito esportivo. Vale pro Neymar e vale para todo mundo que faz o mesmo, inclusive no evento do tópico a seguir. Não se ganha todas.

*Mais de 5 mil pessoas no Maracanã, no fim das contas mais argentinos que brasileiros. Aglomeração, compra de teste falso de negativo para coronavírus, desrespeito ao distanciamento social e ao uso de máscara... E pra piorar tudo, a Conmebol me libera público para Libertadores e Sul-Americana "mediante protocolos"! Mas enfim os protocolos naquele lugar, porra! E a "cereja do bolo": uma nova variante da Covid-19 detectada no Brasil a partir de exames do Instituto Adolfo Lutz em Mato Grosso, uma das sedes desta Copa América.

Tacos e pitacos da Itália campeã europeia contra a (e na) Inglaterra

Separei em vários subtópicos os destaques do 1 x 1 + 3 x 2 deste domingo (também aqui muitos deles a partir de estatísticas do Alexis MisterChip, que não é avião, mas tá voando baixo que é uma beleza):

*Com dois minutos, o gol do Shaw para os ingleses foi o mais rápido de uma finalíssima na sexagenária história da Euro, baixando em quatro a marca do Pereda nos 2 x 1 da Espanha sobre a União Soviética em 1964 - e se comparado às Copas do Mundo, perde apenas pro do Neeskens com um e meio para a Holanda nos 2 x 1 da derrota de virada pra Alemanha Ocidental em 1974.

*O gol do Bonucci assegurou a 8ª prorrogação em 15 partidas de mata-mata, recorde em Eurocopas. Como outros não tivemos nela, tivemos a 4ª disputa por pênaltis na mesma edição, algo que só em 1996 ocorrera.

*Foi a sétima final de Eurocopa com prorrogação, antes disso as de 1960 e 2016 resolvidas nos 30 minutos extras, a de 1968 tendo prorrogação e a persistência do empate causando uma segunda partida decisiva, as de 1996 e 2000 decididas no gol de ouro e... a seguir.

*Onde você estava e o que fazia em 20 de junho de 1976? Naquele dia, Belgrado teve no Estrela Vermelha a final europeia entre Tchecoslováquia e Alemanha Ocidental. 2 x 2 com bola rolando e, nos pênaltis, título tchecoeslovaco por 5 x 3. Só lá tivemos isso... até este domingo.

*Pickford até fez sua parte, mas Donnarumma foi ainda melhor, salvou a pele do Jorginho após seu erro e ainda foi eleito o melhor jogador da competição.

*Inglaterra e pênaltis, diferentemente de Harry e Sally, não foram feitos um para o outro: derrotas para Alemanha nas semifinais europeias de 1990 e 1996, Argentina nas oitavas mundiais de 1998, Portugal nas quartas europeias de 2004 e mundiais de 2006 e Itália nas quartas europeias de 2012 e agora nessa final.

*Gareth Southgate errou demais ao colocar frios e preteridos como Rashford, Sancho e Saka numa fogueira desgraçada para baterem pênaltis, sendo que Saka nunca tinha cobrado um como profissional. Para piorar tudo, atos nojentos de racismo de torcedores imundos e desgraçados, negros que são os três.

*Os italianos voltaram a ser campeões depois de 53 anos da primeira e até então única vez. Alemanha e Espanha continuam sendo os países com mais canecos, três para cada.

*A Itália foi às 34 partidas de invencibilidade, uma abaixo da Espanha entre 2007 e 2009 e duas abaixo do Brasil de 1993 até 1996.

*Jorginho, Emerson e Rafael Tolói, brasileiros naturalizados italianos e campeões europeus, tais quais Marcos Senna pela Espanha em 2008 e Pepe por Portugal em 2016.

*Jorginho e Emerson, dois dos agora 14 jogadores campeões europeus de clubes e de seleções no mesmo ano, atuantes que são no Chelsea. Os outros: Luis Suárez em 1964 por Internazionale e Espanha; Van Breukelen, Koeman, Van Aerle, Vanenburg e Kieft em 1988 por PSV Eindhoven e Holanda; Anelka e Karembeu em 2000 por Real Madrid e França; Mata e Torres em 2012 por Chelsea e Espanha; e Cristiano Ronaldo e Pepe em 2016 por Real Madrid e Portugal.

*29 anos depois, Roberto Mancini campeão em Wembley. Em 20 de maio de 1992, ele jogava pela Sampdoria e perdeu a Copa dos Campeões da Europa (última com este nome) para o Barcelona por 1 x 0.

*A Itália é a quinta seleção campeã europeia que não disputou a Copa do Mundo anterior. As anteriores: Tchecoslováquia em 1976, Holanda em 1988, Dinamarca em 1992 e Grécia em 2004.

*Inglaterra derrotada diante de sua torcida, tal qual a França para Portugal em 2016 e Portugal para a Grécia em 2004.

*Ingleses e italianos não se enfrentavam desde a Copa do Mundo de 2014, quando a Squadra Azurra venceu por 2 x 1 em Manaus. O English Team não a derrota desde as Eliminatórias da Copa em 1977.

*142 gols marcados em 51 jogos, aumento substancial para cinco anos atrás, quando foram 108 em 51.

Curtinhas Esportivas

Mais uma baixa na Seleção Olímpica Douglas Augusto, do PAOK, se lesionou durante treino e não vai a Tóquio.

Derrota americana no basquete com jogadores da NBA e em casa Aconteceu no sábado em amistoso perdido por 90 x 87 para a Nigéria, apenas a quarta com atletas da liga profissional no time e em seus domínios. As outras foram em partidas oficiais em 2002: Argentina e Espanha na Copa do Mundo e Iugoslávia no Mundial.

Milwaukee Bucks não se dá por vencido Venceu por 120 x 100 o Phoenix Suns, 2 x 1 na final da NBA.

Novak Djokovic igualou Rafael Nadal e Roger Federer Com 3 x1 sobre Matteo Berrettini (6/7 - 4/7, 6/4, 6/4 e 6/3), o sérvio chegou ao sexto título em Wimbledon e aos 20 Grand Slams, a exemplo do espanhol e do suíço. Somando as conquistas dos três gênios do tênis, restaram míseros 16 Slams para outros campeões desde 2002. Djokovic repete Rod Laver em 1969 ao ganhar Austrália, Roland Garros e Wimbledon em um mesmo ano.

Sintonia PB

Começa o tópico desta "24 Horas" que está antenado no que ocorre fora dos esportes. Às novidades:

Fabiane Paza se despediu da NDTV A repórter de Florianópolis deixou a afiliada da Record após seis anos e nove meses (os primeiros em Joinville) pois fará um mestrado em Lisboa. Na última sexta, ela recebeu uma homenagem durante sua última aparição no matinal "SC no Ar", quando a apresentadora Márcia Dutra chamou de surpresa depoimentos da mãe, do pai e da irmã da Fabiane, que antes disso foi repórter da RBS TV (Globo) em Cruz Alta e depois repórter e também apresentadora da RBS de Erechim por quase três anos. Sucesso, guria!

O que ser "Na Casa da Carla", interrogação? Investindo em projetos pessoais após deixar a RBS depois de 25 anos, Carla Fachim explicará eles em vivo no seu perfil no Instagram nesta segunda, às 18h30.

Mudança motivada pelo amor Sei dessa pelo Gabriel de Oliveira no TV Pop e envolve Victor Ferreira, repórter da Globo e da GloboNews que está trocando o Rio de Janeiro por São Paulo após três anos após pedir isso à direção jornalística devido à transferência da esposa Anna Virgínia Balloussier por parte da Folha de S.Paulo e por serem pais de uma menina de pouco mais de um ano. Lembro de dois casos paralelos envolvendo a aldeia pampeana: em 2005, a Globo puxou pro Rio o repórter de rede Paulo Renato Soares, por isso também se transferindo a então apresentadora do "RBS Notícias" Mônica Teixeira, no lugar da qual entraria Cristina Vieira; e no fim de 2019, Felipe Vieira saiu do SBT daqui e foi morar em São Paulo devido à transferência profissional da esposa, pouco depois voltando ao ar ao ingressar no BandNews TV como apresentador, o que hoje também é na TV Bandeirantes.

Não será hoje a estreia da Viviane Costa no SBT A ex-apresentadora da Globo começaria a fazer nesta segunda o noturno "SBT Brasília - 2ª Edição", só que a emissora confirmou na última sexta que ela foi diagnosticada com a Covid-19. Assim sendo, até que ela fique bem, Felipe Malta fará o jornal nos dois horários.

Um lindo trio no "Fala Brasil" Pela vez primeira, a Record colocou três apresentadoras na edição de sábado: Fabiana Oliveira, Patrícia Costa e Thalita Oliveira, esta última voltando ao ar após cerca de dois meses.

Um lindo quarteto no "Jornal da Band" Comandará ele nesta e também na próxima semana: Lana Canepa, Joana Treptow, Paloma Tocci e Kalinka Schutel. Sei pelo Ricardo Feltrin no UOL que isso acontece devido às férias do Rodolfo Schneider e à recuperação médica do Eduardo Oinegue, submetido no mês passado a duas cirurgias no joelho esquerdo e que, por enquanto, só voltou ao ar na BandNews FM no "Meio do Dia" e de casa.

Muriel Porfiro revelou ser adotada quando criança Apresentadora do noturno "Agora CNN", a jornalista gravou um depoimento para o "CNN Tonight" na última semana, quando foi abordado o tema da adoção, e revelou isso, que tem como algo sempre muito natural e não traumático, contando que sua mãe de coração tinha 35 anos quando a adotou e ela (que não faço ideia de qual idade tem, mas acho que não deve ter 30 anos ainda, deve ter uns 25 ou 26) era um bebê de colo, e que tem muito orgulho de falar que é adotada, agradecendo à mãe adotiva e à biológica.

"Sonho Meu" finalmente ganha uma reprise Exibida pela Globo em 1993, a novela das seis escrita por Marcílio Moraes e estrelada por Carolina Pavanelli e Elias Gleizer vai ao ar às 12h40 e à 1h30 no Viva.

Rever Gabriela Rivero foi revê-la com a voz da Marlene Costa A visita da intérprete da Professora Helena de "Carrossel" ao "Show de Calouros" em 1991 foi resgatada pelo "Programa Silvio Santos" neste domingo e permitiu ser visto algo que era praxe no SBT da época: entrevistas com artistas estrangeiros tinham eles dublados ao invés de escutados com as vozes originais (só lembrarem das históricas conversas do Gugu Liberato com Chespirito e outros atores de "Chaves" e "Chapolin"). Assim, Gabriela foi dublada no programa pela mesma Marlene Costa que foi sua voz na novela da Televisa - aliás: a Professora Helena não teria o mesmo charme se fosse com a voz original da atriz, com todo o respeito. A voz da Marlene deu a ela um ar de fada-madrinha mais encantadoramente apaixonante ainda. Bem condizente, aliás, sendo Marlene mãe das extraordinárias Flávia Saddy e Fernanda Fernandes.

Por falar em "Carrossel"... uma pertinente observação do Fábio Mendes no Twitter: "trocentas" produções clássicas sendo resgatadas por streamings disso, streamings daquilo, streamings daquele outro, até mesmo as mexicanas pelo GloboPlay nos últimos tempos... e nada dela pintar num deles. Beira até o incompreensível para uma produção que tornou-se tão clássica do SBT que chegou a abalar a audiência da Globo em seu horário.

E fique antenado! "Sintonia PB" continua de olho no que ocorre fora dos esportes e retorna na próxima coluna.

Datas em 0 ou 5

É um hábito desta "24 Horas" de bastante tempo e que será mantido aqui ao observar datas importantes que completam 5, 10, 25, 40, 65, 100 anos, enfim, sempre em 0 ou 5 pois é como consigo me organizar melhor. As desta segunda, 12 de julho, são estas:

*70 anos ao dobrado: de Cheryl Ladd, atriz que fez a Kris Munroe na série "As Panteras" e a Jillian Deline na série "Las Vegas"; e de Jamey Sheridan, ator de séries como "Chicago Hope", "Segurança Nacional", "Arqueiro" e especialmente "Lei & Ordem: Crimes Premeditados" como James Deakins.

Bela do Dia: Marceli Dutra

Marceli Dutra, repórter da TV Record RS, que lhe recolocou aqui em Porto Alegre há um mês, quando deixou depois de dois anos a RBS de Pelotas. Antes, ela reportou na TV Pampa daqui por cinco anos.

*65 anos de Mel Harris, atriz de filmes como "K9 - Um Policial Bom Pra Cachorro" e de séries como "Thirtysomething".

*55 anos da única vitória do então atual bicampeão Brasil na Copa do Mundo na Inglaterra, 2 x 0 sobre a Bulgária.

*30 anos de James Rodríguez, futebolista do Everton e campeão por Banfield (um Argentino Apertura), Porto (Liga Europa de 2011, três Portugueses, uma Taça e três Supertaças de Portugal), Real Madrid (Mundiais e Supercopas da Europa de 2014 e 2016, Ligas dos Campeões de 2016 e 2017, dois Espanhóis e uma Supercopa da Espanha) e Bayern de Munique (dois Alemães e uma Copa da Alemanha).

*10 anos da estreia de "O Astro", novela das onze na TV Globo, escrita por Alcides Nogueira e Geraldo Carneiro em cima de original da Janete Clair, estrelada por Rodrigo Lombardi e Carolina Ferraz.

*5 anos da saída de Mariza Tavares da Rádio CBN, da qual era diretora executiva desde 2002.

Clipe do Dia: Queen

Há 35 anos completados hoje, a banda fazia um dos seus mais sensacionais shows no antigo Wembley, que recebeu um mundaréu de gente e que foi transmitido ao vivo por televisão e rádio por lá, sendo lançado em VHS em 1990 e em CD e LP em 1992, já após a morte de Freddie Mercury. O ano exato não lembrarei, mas foi mais ou menos por aí que assisti pela primeira vez algumas músicas deste espetáculo por reproduzidas que foram num especial da Rede Manchete, apresentado pela atriz conterrânea Luciene Adami. Uma delas ficou show de bola nesta versão ao vivo, bem diferente da original de 1980 e com uma pegada muito própria para 1986: "Another One Bites The Dust".



Arremate

Covid: mais de 533 mil vítimas; quase 19,1 milhões de casos; quase 30,6 milhões de imunizados por completo.

"24 Horas" volta rezando que um dia este mal cesse ou diminua drasticamente!

Torneios de futebol, todas as modalidades e variedades não-esportivas.

Destaques da imprensa esportiva. O que acontece em TV, rádio, jornal e web.

Podcasts com pitacos sobre os esportes e outros registros interessantes.

Convidados escrevem sobre temas de agora no futebol e em todos os esportes.

Para entender o presente, é preciso conhecer o passado. Aqui se faz isso.

Teste de conhecimentos com direito a charadas e perguntas "pega-ratão".

Verde para o bom, vermelho para o ruim e amarelo para chamar a atenção.

Gente do esporte dá dicas de livros, filmes, música, culinária e mais.